sábado, 11 de agosto de 2007



Navalha na hipocrisia



Os nossos aproximadamente vinte leitores assíduos - números otimistas! - sabem que este blog (que esta semana superou a marca dos doze mil acessos, para nossa surpresa... e satisfação!), em que pese reconhecer e apoiar muitas das ações positivas do governo Lula (e criticar construtivamente várias outras, sempre que julga necessário!) - justamente por isso ... não pode ser considerado mais um blog ‘chapa branca’. Estamos, portanto, muito a vontade para discorrermos sobre – e principalmente – os últimos acontecimentos verificados por ocasião da chamada ‘Operação Navalha’, que está cortando muito profundamente a carne de corruptos e corruptores que grassavam, até então, com a impunidade total e absoluta, pelo menos nos últimos quarenta anos (ou mais!) em terras brasilis (a propósito, leia a postagem abaixo, do Luiz Carlos Azenha).

No momento em que a lâmina corretamente manejada pela Polícia Federal, sob a hábil e determinada batuta do Ministério da Justiça, penetra cada vez mais fundo no tecido putrefato da corrupção, ouvem-se reações as mais variadas dos setores que já foram atingidos - ou que o serão num futuro próximo (esperamos!) pela enérgica mas necessária ação da PF.

É claro que eventuais excessos (se ocorreram) nesta operação, assim como em todas as demais, devem ser investigados, os responsáveis punidos, o direito – sempre – preservado. Aliás, essa é uma determinação do presidente Lula e do Ministro Tarso Genro.

Mas o que vimos hoje nas declarações contundentes de certos juizes, desembargadores, jornalistas, advogados e políticos é um misto de desespero e de hipocrisia que tem por objetivo desviar o foco das atenções, na tentativa de salvarem seus pescoços, ameaçados que estão pela 'guilhotina' ... da justiça. Vozes togadas, diplomadas, colarinhos brancos, convivas eternos e impunes dos banquetes do poder, bolsos forrados às custas da miséria e da desgraça de muitos, alardeiam agora o perigo a que está submetido o ‘Estado Democrático de Direito’. As mesmas vozes que nunca se manifestam quando a ilegalidade contumaz de nossas polícias recai sobre os despossuídos, os desempregados, os sem-tetos, os desesperados, os sem-terras, os sem futuro, os moradores das favelas, dos guetos, das periferias que têm cotidianamente suas famílias desrespeitadas, agredidas, seus filhos mortos, torturados, suas casas invadidas, ‘pedaladas’ sem ordem judicial, vítimas constantes da prepotência, dos desmandos, das injustiças, das ‘balas perdidas’...

Mas hoje, no fundo, sem tergiversações, indo no cerne do problema, 'direto ao assunto': o que mais importa é que governo federal - para os céticos, reacionários e derrotistas, o 'Governo Lula' - está determinado a dar um basta à roubalheira e à impunidade.

É disso do que se trata. O resto é dissimulação, hipocrisia, cortina de fumaça. (Por Júlio Garcia – maio/2007)

2 comentários:

Márcio Brasil disse...

Olá, amigo Júlio. Parabéns por este novo blog, esta nova empreitada. Que bom que a Internet, através deste caráter universal e democrático, permita-nos a diversidade da informação e da discussão em âmbitos que, normalmente, pouco se vê na grande mídia. Seu blog já se encontra inserido em nosso Guia, que objetiva a divulgação, realmente, de todos que escrevemos na nossa amada Santiago dos Poetas. Lembro de um poema seu, que li no seu livro, há muito tempo, em que você citava em determinado trecho que "o poeta não pode apenas cantar a primavera" mas também as desigualdades sociais. Nós, que acreditamos numa sociedade justa e de iguais oportunidades, direitos e deveres para todos precisamos unir nossos esforços nessa luta. Admiro seu trabalho, pois compreendo que não é de hoje que você faz de sua caneta uma espada. Um abraço do tamanho de Santiago.

Júlio Garcia disse...

Obrigado pelas gentis palavras, Márcio. Sigamos em frente; esta é uma 'boa luta', realizada em vários 'fronts'!
Abraço,
Júlio Garcia